Construção Sustentável


Apresentação

O Projeto “Construção Sustentável com Bambu” visa difundir a cultura da utilização de materiais locais renováveis nas moradias populares, bem como o trabalho associativo nas comunidades.

Como primeira ação mobilizadora, foi realizada a I Vivência de Construção Sustentável com Bambu, em Santa Cruz-Aracruz, nos dias 18 a 21 de setembro de 2008. Ao final da Vivência, foi criado o Núcleo de Bambu no Espírito Santo, de forma a manter integradas as instituições e profissionais envolvidos no Projeto, potencializando assim os resultados das ações desenvolvidas por cada um dos parceiros.

O Projeto é uma realização da Ong A Ponte - Instituto, com apoio da AMIP - Associação dos Amigos do Rio Piraquê-açú, da Associação Indígena Tupinikim-Guarani, do Ateliê de Idéias, do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento da Região do Caparaó, da ONG Moradia e Cidadania e da Fundação do Espírito Santo, e tem o patrocínio da Shell Brasil.

 

Objetivo

O projeto “Construção Sustentável com Bambu” tem objetivo principal de difundir a cultura da utilização de materiais locais renováveis nas moradias populares e o trabalho associativo nas comunidades.

Como bem contextualiza o arquiteto Rubens Cardoso Jr. na dissertação “Arquitetura com Bambu”, a habitação é para qualquer ser humano uma condição básica para sobrevivência, relacionando-se diretamente ao quadro de saúde uma população. A habitação de baixo custo por sua vez é, atualmente, uma constante problemática em vários países em desenvolvimento, pois os grandes centros urbanos crescem e se modernizam, mantendo, porém, e até vendo agravarem-se, os problemas habitacionais principalmente nas periferias.

As vantagens do Bambu sobre os materiais convencionais são de ordem econômica (menor custo por metro quadrado), ecológica (matéria-prima renovável, de fácil cultivo e rápido crescimento, que exige menor utilização de materiais poluentes ou não-renováveis, como cimento e ferro), funcional (estrutura, paredes, telhado, móveis e objetos diversos podem ser feitos apenas ou à base de bambu) e mesmo estética (o material natural garante conforto e acolhimento únicos).

Aqui no Espírito Santo, o Projeto prevê preparar pessoas de comunidades do litoral e do interior, tendo como desafio contagiá-las e uni-las em prol do bem-estar social de suas comunidades, conscientizando-as sobre a técnica de construção com a utilização de materiais locais sustentáveis, como bambu, tijolos ecológicos e outros.

O Projeto também prevê o estímulo ao plantio, visto que um dos principais entraves hoje no país para o crescimento da cultura de utilização do bambu em construção, além de ordem cultural, é o reduzido número de produtores. O plantio que almejamos no entanto é o de pequena escala, pois qualquer monocultura, mesmo de espécies nativas, contraria o princípio de conservação da biodiversidade, que orienta o Projeto.

Como parte do Projeto, foi realizada a I Vivência de Construção Sustentável com Bambu, que será realizado em Santa Cruz-Aracruz/ES, nos dias 18 a 21 de Setembro de 2008.

Durante os quatro dias, também foram realizadas vivências de alimentação natural vegetariana e, ao final, será formalizada a criação do Núcleo do Bambu no Espírito Santo, que servirá como referência e suporte para a execução de projetos de construção sustentável com Bambu no Estado.

• Topo

 

Metas

Metas Gerais

  • Contribuir para alavancar a situação sócio-econômica das comunidades isoladas do contexto econômico, fortalecendo as que aderirem ao projeto
  • Fomentar o surgimento de novas modalidades habitacionais, utilizando materiais renováveis e arquitetura sustentável
  • Gerar oportunidades de trabalho baseado em construções alternativas que venham contribuir com a habitação popular, e com a redução dos índices de déficit habitacional
  • Incentivar a construção de um ambiente socialmente justo e ambientalmente sustentável através do cooperativismo/associativismo
  • Despertar comunidades para o plantio do bambu como alternativa de renda, em pequenas propriedades e nos projetos de agricultura familiar, com opção de fornece o bambu estrutural aos projetos de construção.

Metas específicas

  • Capacitar facilitadores para promover a existência e consolidação de empreendimentos solidários em suas comunidades através da difusão das técnicas recebidas
  • Treinar e capacitar inicialmente 30 pessoas, através da vivência de arquitetura sustentável com bambu, com técnicas de associativismo, cooperativismo.

• Topo

 

Primeira Vivência

A I Vivência de Construção Sustentável com Bambu foi realizada em Santa Cruz-Aracruz/ES, nos dias 18 a 21 de Setembro de 2008, totalizando 44 horas/aula.

A Vivência proporcionou aos participantes o conhecimento sobre o desempenho adequado na aplicação do bambu, principalmente como elemento estrutural, e o estudo das ligações estruturais, que é um dos problemas mais freqüentes na aplicação do bambu na construção.

Durante quatro dias, os participantes receberam conhecimento teórico e prático sobre toda a cadeia produtiva do Bambu desde o plantio, manejo, tratamento até sua utilização na construção, além de informações sobre as diversas formas em que o bambu é assimilado como elemento de conservação e recuperação ambiental.

Como parte do conteúdo prático, foi realizada uma visita técnica ao local onde está sendo construída uma estrutura de 70m2, toda em Bambu Mossô (Phyllostachis pubescens) tratado.

• Topo

 

Público-alvo

A Vivência teve como público-alvo quatro perfis de profissionais: plantadores, artesãos, planejadores (arquitetos e engenheiros) e construtores. Os alunos também foram selecionados entre aqueles que já atuam ou se comprometem em atuar no plantio, tratamento ou construção com bambu.

A Vivência também teve espaço para um público de ouvintes, que participaram das palestras. Nesse perfil, estão os profissionais das áreas de construção, artesanato, agricultura, meio ambiente e comunicação, que desejam aprender e divulgar a filosofia e as técnicas de construção com bambu em seus ambientes de trabalho.

Ao final da Vivência, os participantes assumiram o papel de facilitadores, para tornarem-se referência em suas comunidades, de modo a transmitirem os conhecimentos adquiridos, tendo como suporte o Núcleo Bambu ES, ao qual se filiaram.

• Topo

 

Conteúdo programático e Metodologia

Conceitos teóricos - em forma de palestras audiovisuais

  • Impacto atual da indústria da construção civil - contexto
  • Introdução a Bioarquitetura
  • História da utilização do Bambu
  • Morfologia e características biomecânicas do Bambu
  • Conceito estrutural
  • Vantagens e desvantagens do uso do Bambu na construção civil
  • Espécies de Bambus para a construção civil
  • Técnicas de tratamento de Bambu para a construção civil
  • Tendências industriais do uso do Bambu - laminados e aglomerados
  • Apresentação de outras técnicas de Bioconstrução como terra crua, tetos verdes, reciclagem e reutilização de água e outras
  • Discussão dos conceitos de sustentabilidade e ecologia

Parte prática - oficinas

  • Organização do canteiro de obras
  • Organização da oficina - ferramentas e materiais
  • Estoque e produção
  • Técnica de corte de Bambu
  • Técnica de furação em Bambu
  • Técnicas de encaixes
  • Técnicas de amarração
  • Técnica de chumbamento
  • Técnica de reforço estrutural
  • Montagem da estrutura
  • Vedações em técnicas de construção com terra crua (taipa leve)

Para a parte teórica foram utilizados principalmente recursos visuais, como projeções, livros ilustrados e peças reais para o participante treinar o “olhar”, desenvolver a capacidade de leitura crítica e aumentar seu repertório visual. Foram enfocadas questões como propriedades físicas, botânicas e estéticas do material, bem como conceitos de Desenho.

As oficinas do “fazer criativo com bambu” colocaram o participante em contato com diversos tipos de bambus e outros materiais ecologicamente corretos, mostrando ao participante a amplitude do tema e incentivando-o a vivenciar diversas experiências desse “fazer criativo”.

• Topo

 

Cronograma

 

18/09
Quinta-feira

19/09
Sexta-feira

20/09
Sábado

21/09
Domingo

ManhÃ

8:00 - Chegada e Acomodações
9:00 – Apresentação s/ Projeto
10:00 - Momento “Núcleo Bambu”
10:30 - Palestra Introdução ao Curso

8:00 - Prática: Cortes e encaixes básicos

8:00 - Momento “Núcleo Bambu”: Palestra s/ Cooperativismo e Asociativismo

10:00 - Prática: Montagem da estrutura

8:00 - Momento “Núcleo Bambu”: Carta de Adesão

9:00 - Prática: Montagem da estrutura e barreamento (pau-a-pique)

AlmoÇo

12:00 às 13:30 - Almoço

12:00 às 13:30 - Almoço

12:00 às 14:00 - Almoço

12:00 às 14:00 - Almoço

Tarde

13:30 às 17:30 – Prática:
Manejo, identificação e plantio

13:30 - Momento “Núcleo Bambu”: Atuação e Protagonismo
14:30 - Prática: Montagem da estrutura

14:00 - Prática: Montagem da estrutura e ossatura do pau-a-pique

15:00 - Momento “Integra-ação”
16:00 – Lanche e encerramento

Jantar

18:30 às 19:30 - Jantar

18:30 às 19:30 - Jantar

18:30 às 20:00 - Jantar

 

Noite

19:30 – Palestra: Bioaquitetura e Bambu I
21:00 - Momento “Integra-ação”
22:00 - Recolhimento

19:30 - Palestra: Bambu II
21:00 - Momento “Integra-ação”
22:00 - Recolhimento

20:00 - Momento “Integra-ação”
22:00 - Recolhimento

-

• Topo

 

Professores

Francisco Lima - Formado em Arquitetura em 1991 pela PUCCAMP (Pontifícia Universidade Católica de Campinas), é fundador da Archidomus Arquitetura e Design, escultor e ministra cursos, palestras e oficinas de Arte, Arquitetura e Bioconstrução. área de pesquisa: Antropologia da construção.

Edoardo de Aranha - Formado em Arquitetura em 2000 pela PUCCAMP (Pontifícia Universidade Católica de Campinas), ministra cursos, palestras e oficinas de Arte, Arquitetura e Bioconstrução. área de pesquisa: Técnicas Construtivas em Bambu.

• Topo

 

Alimentação Natural

Vivências de alimentação natural vegetariana, com apoio da organização não-governamental Fundação do Espírito Santo e do Restaurante-Escola Cio da Terra complementaram o rol de atividades.

Além de proporcionar refeições mais leves e saudáveis para alunos, coordenadores e professores, a alimentação natural visa contribuir para que o respeito à natureza e a conservação da biodiversidade, valores que orientam o Projeto, sejam incorporados pelos participantes na dimensão pessoal e mesma intra-corpórea, o que, numa instância mais avançada da prática diária, tem como conseqüência natural a adoção cotidiana de atitudes e posturas ecologicamente responsáveis.

A alimentação natural vegetariana praticada pela Fundação do Espírito Santo e o Restaurante-Escola Cio da Terra objetivam a recuperação da flora intestinal por meio da seleção e da combinação adequada dos alimentos, evitando assim a fermentação digestiva e propiciando, de forma gradativa, estado de equilíbrio do aparelho digestivo e, conseqüentemente do organismo como um todo.

O papel central do intestino na saúde digestiva e geral é consenso na Medicina, especialmente a Medicina Natural. A relação entre alimentação e saúde, por sua vez, é um dos conceitos fundamentais da Medicina, exaltado numa das máximas de Hipócrates, Pai da Medicina (460-377 a.c.): “Somos o que comemos e o que pensamos; faz do teu alimento o teu remédio e do teu remédio o teu alimento”.

Como novidade complementar à milenar recomendação de Hipócrates, o exercício da percepção das inter-relações entre o microcosmo (organismo humano) e o macrocosmo (organismo planetário), perspectiva fundamental da Ecologia, possibilita entender que “as nossas florestas internas e as florestas da Terra integram uma mesma sinfonia, que tem como regente comum o padrão alimentar humano”¹. Ou, como afirma o estatuto da Fundação do Espírito Santo, “Respeitar a vida interna é a mesma coisa que respeita-la externamente”.

¹ Leia também o artigo “Sociedade enfezada”, da jornalista Fernanda Couzemenco

• Topo

 

Instituições

Apoio:

  • Associação Pró-Melhoramento Ambiental da Região do Caparaó - Amar Caparaó
  • Associação dos Amigos do Rio Piraquê-açu - AMIP
  • Associação Indígena Tupinikim-Guarani - AITG
  • Ateliê de Idéias
  • Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento da Região do Caparaó - Consórcio Caparaó ES
  • Fundação do Espírito Santo
  • Instituto Goia
  • ONG Moradia e Cidadania

Patrocínio:

Shell Brasil

• Topo

 

voltar

Entre em contato conosco - 2008 © Todos os direitos reservados